A nova realidade global em vinte tópicos


O mundo está vendo o ano de 2021 como um novo começo. Um renascimento. Nada será como antes depois da pandemia, é o que dizem cinquenta especialistas reunidos pela revista The Economist para especularem sobre o que vem por aí. Eles chegaram a vinte tópicos que resumem a nova realidade global. Confira:

  • Vamos continuar a trabalhar online em casa, dispondo cada vez mais de tecnologia. Faremos reuniões periódicas em locais diferentes, para nos socializarmos e nos conectarmos.
  • Teremos cada vez mais assistentes digitais, e eles serão cada vez mais eficientes. As grandes corporações serão lembradas como enormes mamutes que entraram em extinção.
  • Pelo menos metade dos hotéis de trabalho desaparecerá. Congressos e reuniões serão online. O turismo de trabalho quase acaba. Os grandes congressos se darão via sistemas tecnológicos, utilizando inclusive inteligência artificial.
  • As casas se tornarão mais tecnológicas e adaptadas ao trabalho diário. Empresas se dedicarão a solucionar o trabalho em casa, que não precisará mais ser cumprido em grandes cidades.
  • A produtividade não dependerá mais de chefes. Os resultados serão medidos por plataformas. Assim, fica mais fácil, barato e eficiente contratar os melhores do mundo. Seremos todos globais.
  • Tudo que é repetitivo se torna virtual e em regime de assinatura. Isso inclui igrejas, arte, academia, cinema e outros entretenimentos. Às vezes nos deslocaremos para coisas físicas, mas não o suficiente para manter as infraestruturas físicas de agora.
  • Empresas que não investirem em novas tecnologias desaparecerão. A empresa tradicional chegou ao fim em 2020. Uma nova empresa de tecnologia pode substituir outra que faz o mesmo há cinquenta anos.
  • O turismo de entretenimento volta com força no segundo semestre de 2021, com muita tecnologia em todas as etapas. Mais do que nunca as pessoas apreciam ambientes naturais, mas com soluções tecnológicas. A interação é a base do entretenimento do futuro.
  • O tratamento de dados pessoais se torna mais delicado e as grandes plataformas vão mudar. As pessoas voltam a pagar assinaturas por conta da transparência envolvida. Preferem pagar a doar seus dados. As grandes marcas passam a valer por sua credibilidade.
  • A força de trabalho é radicalmente reduzida e muitas operações simples passarão a ser executadas por inteligência artificial. Está se aproximando uma grande temporada global de demissões.
  • A educação jamais voltará a ser a mesma. Será em parte presencial, mas tecnologicamente adaptável e híbrida. Cada um é o que precisa.  Estudar offline e online será normal. Volta a contratação de pessoal altamente capacitado para ocupar cargos importantes em instituições de ensino, mas pessoas experientes sem curso superior também terão seu lugar.
  • O sistema médico se adapta para sempre ao digital, com tecnologia remota. Consultas médicas pelo vídeo serão cada vez mais normais. Grandes hospitais vão repensar seu funcionamento devido às crises econômicas sofridas com a Covid-19. Graças aos cuidados com limpeza, as pessoas terão menos doenças causadas por vírus e bactérias ou decorrentes do manuseio inadequado de alimentos.
  • Na economia pessoal, novas formas de transação comercial permitirão gastos menores. Deixaremos de comprar roupas elegantes para comprar roupas casuais. Os eletrônicos se mantêm como os produtos mais desejados.
  • O e-commerce continua a crescer, mas plataformas como Facebook, TikTok e YouTube passam a competir com a Amazon. Metade das lojas físicas deve fechar. Grandes shoppings ficarão presos no tempo. A longo prazo, poucos sobreviverão.
  • A mudança climática será muito discutida e tomará o lugar da Covid-19 como questão principal. Será uma oportunidade para a união global ajudar a transformar e resolver os grandes problemas coletivos. Cresce o uso de bicicleta.
  • Novos modelos de informação e notícias por assinatura com mais transparência ajudarão a disponibilizar conteúdos com menos notícias falsas. Credibilidade e transparência serão a pedra angular das empresas.
  • As situações de agressividade, solidão e angústia geradas pelo isolamento farão da saúde mental um tema recorrente, enfrentado com a ajuda de grandes plataformas. Crises de liderança serão mais comuns em empresas.
  • Grandes questões – como educação, saúde, energia, segurança, política, destruição da classe média – ganham destaque. E as soluções serão desenvolvidas por empresas de tecnologia. O empreendedorismo social terá resultados substanciais.
  • O foco estará no que é natural e saudável. Seja na alimentação ou na interação. Produzir a própria comida, meditar e se exercitar estarão na ordem do dia. Ser mais saudável é o novo luxo. A suntuosidade perde o sentido e a simplicidade é valorizada. A reciclagem volta mais forte, agora com avanços tecnológicos.
  • As pessoas vão reconsiderar seus objetivos pessoais, profissionais, financeiros e espirituais, como num renascimento. Para isso, haverá novas oportunidades e mudanças de pensamento. Acumular, consumir e viver pelo material ficarão para trás. A base da nova realidade está na inovação, na tecnologia e no pensamento natural e lateral. Devemos encontrar novos caminhos.