A importância da flora intestinal no combate à depressão

As bactérias da nossa flora intestinal oferecem uma série de benefícios para o nosso organismo, como auxiliar na digestão e no sistema imunológico, alterar nosso DNA e, conforme uma pesquisa recente, influenciar diretamente nossa saúde mental.

Pesquisadores do Instituto de Biotecnologia de Flandres encontraram evidências de bactérias específicas em nosso intestino relacionadas ao transtorno depressivo. Mais especificamente, foi apontada a existência de uma ampla gama de bactérias intestinais capaz de produzir compostos neuroativos.

O intestino é nosso segundo cérebro

A equipe estudou a relação entre as bactérias intestinais e a qualidade de vida e a depressão. Os autores combinaram dados de microbioma fecal com diagnósticos clínicos gerais de depressão de 1.054 indivíduos. Eles identificaram grupos específicos de microorganismos positivamente ou negativamente correlacionados com a saúde mental.

Os autores descobriram que dois gêneros bacterianos, Coprococcus e Dialister, foram perdidos em indivíduos com depressão, independentemente do tratamento antidepressivo.

Paralelo a isso, foi criado um programa de computador que permite identificar quais bactérias intestinais poderiam interagir com o sistema nervoso humano. Os pesquisadores estudaram os genomas de mais de 500 bactérias isoladas do trato gastrointestinal humano em sua capacidade de produzir um conjunto de compostos neuroativos, montando o primeiro catálogo do tipo.

Pesquisas como essa comprovam que muitos compostos neuroativos são produzidos no intestino humano, e que alguns micróbios intestinais podem participar na produção, degradação ou modificação dessas moléculas. Foram encontradas evidências, por exemplo, da produção de metabólitos da dopamina, um neurotransmissor humano diretamente associado à boa saúde mental.

Hipótese ainda pouco explorada

Apesar da opinião de especialistas em tratamentos alternativos e outras correntes holísticas da medicina, a relação entre o metabolismo microbiano intestinal e a saúde mental ainda era um tópico controverso entre a comunidade científica. A ideia de que as bactérias podem interagir com nosso cérebro havia sido pouco explorada, e pesquisas que corroborassem essa hipótese ainda eram escassas.

Perceber essa mudança de paradigma dentro da comunidade científica é sinal de que novas abordagens estão sendo estudadas para o tratamento de doenças mentais e transtornos no bem-estar humano. Elas reforçam o conhecimento ancestral de que a saúde da flora intestinal está ligada à saúde mental dos seres humanos. Ou seja, manter seus intestinos livres de inflamações impacta diretamente no seu bem-estar.