Dia de trabalho remoto não precisa parecer excessivo

Quase um ano e meio após o início da pandemia, empresas do mundo inteiro estão repensando o que significa estar “no trabalho”. A tecnologia digital e o home office tornaram imprecisos os limites entre estar dentro e fora do trabalho, o que para muita gente pode ser uma dor de cabeça.

Em artigo para a Harvard Business Review, quatro especialistas afirmam que, para restaurar o equilíbrio e manter a produtividade, líderes precisam entender o que aconteceu com a vida profissional de seus funcionários. Para quem estava acostumado a cumprir horário em escritório, a mudança pode ter sido desestabilizadora.

O novo normal exige novas normas no trabalho, observam Arjun Naravan, Rohan Narayan Murty, Rajatah B. Das, líderes da Soroco, empresa especializada em aprimoramento profissional, no artigo assinado também por Scott Duke Kominers, professor de administração da Universidade de Harvard.

Segundo esses quatro profissionais, um dos fatores básicos para determinar as novas normas de trabalho é até que ponto as horas de trabalho de diferentes membros de uma equipe coincidem, o que chamam de “superposição”. Eles analisaram o trabalho remoto de 187 pessoas em seis grandes empresas que adotaram esse esquema em 2020.

Além de constatarem uma série de padrões de comportamento, eles confirmaram uma verdade já conhecida: a jornada de trabalho digital nunca termina. Em média, membros de uma equipe estão disponíveis para o trabalho durante oito horas por dia – considerando “estar disponível para o trabalho” como sendo trabalhar no computador durante mais de trinta minutos em uma hora. Em média, as equipes estão diante de seus computadores por 45 minutos em uma hora, ao longo de 6,1 horas num dia de trabalho.

 

MAIS ESFORÇO PARA ALCANÇAR OS MESMOS RESULTADOS

Os autores do estudo dividem o dia de trabalho remoto em duas partes: um período de oito horas em que os membros de uma equipe geralmente trabalham juntos e um período de 16 horas em que eles geralmente trabalham separados. No primeiro período, os funcionários têm uma superposição média de 50 a 70% com seus colegas, e isso pode ser considerado “trabalhar junto”. No período das horas “fora”, a superposição é de 10 a 50%, portanto isso pode ser considerado “trabalhar separado”.

A conclusão da análise é que gestores devem considerar o quanto o dia de trabalho digital pode levar funcionários a se esforçar mais ou a trabalhar mais horas. Em alguns casos, dizem os autores do estudo, os membros de equipes precisam trabalhar mais horas para alcançar os mesmos resultados. Em outros, o tempo de trabalho pode parecer cansativo quando passado sozinho, em horas quaisquer do dia ou da noite, sem muita coesão social e contato.

Para os quatro especialistas, as equipes podem enfrentar esses desafios por meio de um esquema que estabeleça normas sobre horas de trabalho e superposição na equipe. Eles sugerem aos líderes as seguintes medidas:

  • Estabeleça o tempo para trabalhar junto: Você determina as horas para trabalhar junto, durante as quais mais de 50% da equipe esteja online e trabalhando junta.
  • Não force a superposição: Você não deve se preocupar se sua equipe não está em superposição durante sete horas contínuas, ou se é incapaz de alcançar mais de 50% de superposição sempre.
  • Não controle horários: Dê a seus funcionários flexibilidade para que eles agendem seus processos de trabalho de acordo com suas preferências pessoais.
  • Permita que as pessoas se desconectem: Estabeleça normas para que os membros de sua equipe reservem tempo e espaço para realizarem o trabalho focado. Você pode determinar períodos em que não se pode marcar reuniões e em que não se pode entrar em contato a não ser que isso seja absolutamente necessário.