O sono profundo ajuda a contornar crises de ansiedade

Dormir é o melhor remédio para acalmar a mente e controlar o estresse. Enquanto uma noite inteira de sono estabiliza as emoções, uma noite sem dormir pode provocar um aumento de até 30% nos níveis de ansiedade.

Já se sabia que o tipo de sono mais apto a acalmar o cérebro ansioso é o sono profundo, também conhecido como sono de ondas lentas sem movimento rápido dos olhos (NREM). Esse é um estado de repouso no qual as oscilações neurais se tornam altamente sincronizadas e há uma queda sensível nos batimentos cardíacos e pressão arterial.

Recentemente foi identificada uma nova função do sono profundo, que diminui a ansiedade da noite para o dia reorganizando as conexões no cérebro. O sono profundo é um ansiolítico natural, desde que aconteça com regularidade e todas as noites.

 

Dormir pouco e mal

O sono insuficiente amplifica os níveis de ansiedade. Inversamente, o sono profundo ajuda a reduzir esse estresse. Em uma série de experimentos usando ressonância magnética funcional e polissonografia, pesquisadores examinaram o cérebro de 18 jovens adultos.

Depois de uma noite sem dormir, os exames cerebrais mostraram um desligamento do córtex pré-frontal medial, o que normalmente ajuda a manter nossa ansiedade sob controle, enquanto os centros emocionais mais profundos do cérebro estavam hiperativos. Segundo os pesquisadores, o efeito é semelhante ao cérebro se pisasse no acelerador emocional, sem freio suficiente.

Após uma noite inteira de sono, durante a qual as ondas cerebrais dos participantes foram medidas por eletrodos colocados em suas cabeças, os resultados mostraram que os níveis de ansiedade diminuíram significativamente, especialmente para aqueles que experimentaram mais sono NREM em ondas lentas.

Isso acontece porque sono profundo restaura o mecanismo pré-frontal do cérebro que regula nossas emoções, diminuindo a reatividade emocional e fisiológica e impedindo o aumento da ansiedade.

 

Mudanças de abordagem

Pessoas com transtornos de ansiedade costumam relatar ter o sono agitado, mas raramente a melhora do sono é considerada uma recomendação clínica para diminuir a ansiedade. O estudo não apenas estabelece uma conexão causal entre sono e ansiedade, mas também identifica o tipo de sono NREM profundo que precisamos para acalmar o cérebro excessivamente ansioso.

No nível social, as descobertas sugerem que a dizimação do sono na maioria das nações industrializadas e a acentuada escalada nos transtornos de ansiedade nesses mesmos países talvez não sejam coincidentes, mas causalmente relacionadas. A melhor ponte entre desespero e esperança é uma boa noite de sono.