Temos horários específicos para lembrar e esquecer

Não se lembra de algo? Tente esperar até mais tarde. Pesquisadores identificaram um gene que influencia a memória em diferentes momentos do dia, e comprovaram que o ciclo circadiano rege nossa memória.

Toda vez que você esquece algo, pode ser porque você realmente não aprendeu. Por exemplo, o nome da pessoa que você acabou de encontrar ou uma lista de compras. Pode ser que você não se lembre por não conseguir recuperar informações armazenadas em seu cérebro, como as letras de sua música favorita.

Muitos pesquisadores estudam a memória do ponto de vista da criação de novas lembranças. No entanto, a biologia do esquecimento é mais complicada de estudar devido à dificuldade de distinguir entre o que não nos lembramos – pois não aprendemos ainda –, e o que realmente nos esquecemos.

 

A metodologia da pesquisa

Os pesquisadores testaram as memórias de ratos machos e fêmeas adultos e jovens. Na fase de “aprendizado” ou treinamento dos testes de memória, os pesquisadores permitiram que os ratos explorassem um novo objeto por alguns minutos.

Mais tarde, na fase “recall” do teste, os pesquisadores observaram quanto tempo os ratos tocaram o objeto quando ele foi reintroduzido. Os ratos perdem menos tempo tocando objetos que lembram de ter visto anteriormente. Os pesquisadores testaram o recall dos ratos reintroduzindo o mesmo objeto em diferentes momentos do dia.

Eles fizeram as mesmas experiências com ratos saudáveis ​​e ratos sem BMAL1, uma proteína que regula a expressão de muitos outros genes. O BMAL1 normalmente varia entre níveis baixos, pouco antes de acordar e níveis altos, antes de dormir.

Os ratos treinados pouco depois de acordarem e testados logo antes de dormir normalmente reconheciam o objeto.

Os ratos treinados pouco depois de acordar e testados um dia depois não reconheceram o objeto.

Camundongos saudáveis ​​e camundongos sem BMAL1 tiveram o mesmo padrão de resultados, mas os camundongos sem BMAL1 foram ainda mais esquecidos pouco antes de acordarem. Isso prova que, quando os níveis de BMAL1 são normalmente baixos, é mais difícil se lembrar de algo ensinado e aprendido no dia anterior.

 

Aplicações práticas

Os pesquisadores rastrearam o papel do BMAL1 na recuperação de memória no hipocampo. Além disso, os pesquisadores conectaram o BMAL1 normal à ativação dos receptores de dopamina e à modificação de outras pequenas moléculas de sinalização no cérebro.

Se for possível identificar maneiras de aumentar a recuperação da memória por esse caminho do BMAL1, poderemos pensar em aplicações para doenças humanas como o déficit de memória, demência e a doença de Alzheimer. No entanto, o objetivo de ter habilidades de recuperação da memória que flutuam naturalmente, dependendo da hora do dia, permanece um mistério. O próximo passo da pesquisa é entender qual é o benefício evolutivo de ter a memória naturalmente prejudicada em determinados momentos do dia.