Há oito anos a morte me ensina a viver

Quem morre vai pra onde?
Espalha…
feito vento.
Olha só…
respira,
pronto,
tens um fragmento,
dentro!
Quem vai…
deixa legado,
deixa o cheiro do peito,
deixa a gargalhada,
deixa os ensinamentos registrados na alma.
Quando morre quem te deu a vida,
fica um convite para a continuidade,
para pegar a criação e educação herdada,
afinar o trato e servir a prole.
Na dança das gerações,
quem foi pode voltar,
quem tá aqui,
um dia já foi
e voltou.
Viva!
O sagrado é engraçado,
é embaraçoso,
arrepia,
acolhe
e traz o convite para caminhar sem certeza.
Mas quem morre vai pra onde?
Não morre, tá aqui…
Percebe?
Sinta-se abraçado
e celebre a vida!
Mas e a saudade?
Não passa,
assenta.
Chore,
escreva,
reze
e honre a vida que recebeu.
Rodrigo Borges (@rodrigoborges_o) , fundador da Escola do Vazio (@escoladovazio) e mentor criativo.