Lições para cultivar e recuperar a autoconfiança

Autoconfiança vem de dentro. É como termos conhecimento de nossos pontos fortes e fracos e ainda assim pensarmos positivamente sobre nós mesmos. Para a psicoterapeuta Rameya Shanmugavelayutham, é algo que provém das informações e ideias que absorvemos no mundo e que sustentam uma perspectiva positiva.

“Com frequência, entramos no mundo com abundância de autoconfiança”, disse ela ao site mindbodygreen. Como exemplo, a psicoterapeuta citou uma criança pequena que se sente confiante pulando em brinquedos ou dançando na frente de uma plateia porque recebe incentivos e segurança que fortalecem o modo como se percebe.

Por vezes, porém, a confiança na infância diminui quando nos tornamos adultos. E a baixa autoconfiança pode dar a impressão de que não conseguimos lidar com críticas ou confiar nos outros. Mas é possível recuperar a confiança em si mesmo. O mindbodygreen relaciona treze maneiras de fazer isso:

  • Descubra de onde vem a sua falta de confiança: Uma boa maneira de começar a fazer isso é refletindo. Um exercício que ajuda a chegar à raiz da baixa autoconfiança é: 1) Durante uma semana, registre seus pensamentos ou falas de baixa autoconfiança. 2) Para cada pensamento ou fala, pergunte a si mesmo: “Quem ou o que lhe disse isso?” 3) Decida se você quer permitir que essa voz tenha autoridade sobre seus pensamentos. 4) Escreva suas reações num diário e crie um plano de ação para avançar. Se está com dificuldade de fazer isso, pode ser bom trabalhar com um terapeuta ou coach para identificar e transformar seus pensamentos de baixa autoconfiança.
  • Entenda como é sentir autoconfiança: Dedique algum tempo a descobrir como a confiança é percebida por seu corpo. Uma boa pergunta a fazer é: “Como você sabe quando chegou a um nível satisfatório de autoconfiança?” Um começo pode ser se expressar mais no trabalho. Talvez finalmente você vista aquela roupa que queria usar. Cada pessoa sente de um jeito, portanto isso não precisa fazer sentido para os outros.
  • Alinhe-se com si mesmo: Se você se pega usando a palavra “deveria” com frequência (deveria casar ou deveria dar um jeito na vida), pare e reflita. De onde vem esse “deveria”? Pode ser que venha de expectativas culturais ou familiares. Ajuda perguntar sempre a si mesmo: É isso o que realmente quero para mim? Você tem o poder de reivindicar sua vida em qualquer momento. Quanto mais decisões alinhadas com si mesmo e seus desejos você toma, mais confiante se torna para tomar decisões.
  • Comece pequeno: Muita gente não gosta de viver muitas mudanças ao mesmo tempo. Shirin Eskandani, coach de vida e fundadora da Wholehearted Coaching, afirma que uma maneira de desenvolver autoconfiança é fazer pequenas promessas a si mesmo. Se você não funciona bem de manhã, por exemplo, não se comprometa a acordar às 6h todos os dias. Tente uma rotina vespertina.
  • Adote uma mentalidade de crescimento: Isso incentiva você a explorar além de suas habilidades e conhecimentos, mantendo aberta a possibilidade de aprimoramento. Em vez de usar frases como “Não tenho confiança”, tente “Não tenho confiança ainda”.
  • Fracassou? Tudo bem: Vivemos uma cultura avessa a fracassos, em que a maioria das pessoas só fala sobre suas conquistas. Entender que o fracasso faz parte do processo de vida ajuda a viver mais plenamente. Independentemente de ser bem-sucedido em alguma coisa ou falhar, você precisa ter o poder de manter a autoconfiança.
  • Enfrente seu crítico interno: Pode ser que às vezes você hesite em confiar em si mesmo porque na vida já foi criticado por figuras de autoridade, como pais e professores, e adotou essas crenças como críticas. Mas chega um momento em que esses retornos que você teve na vida já não lhe servem. Enfrentando essas velhas críticas você pode chegar a um novo nível de autoconfiança.
  • Entenda que emoções e sentimentos são temporários: Emoções têm um ciclo de começo, meio e fim. Embora possam parecer intensas em determinado momento, são temporárias. São respostas fisiológicas a estímulos em seu ambiente. Quando você fica sem internet na hora de fazer um trabalho, tem uma pontada de estresse. Se recebe um presente de um amigo, é tomado por um sentimento de alegria. Qualquer que seja o estímulo, ele lhe informa seu próximo passo. Qualquer que seja a emoção, você pode dar o próximo passo.
  • Foque naquilo que você pode controlar: “Muitas vezes, baseamos nossa autoconfiança em coisas sobre as quais não temos nenhum controle – o que as pessoas pensam, o resultado de um projeto, as reações dos outros”, afirma a coach de vida e liderança Nicole Cruz. “Para desenvolver autoconfiança, precisamos nos desapegar das coisas que não podemos controlar e começar a basear nossa autoconfiança naquilo pelo qual temos controle.” Por exemplo, ao apresentar um trabalho, não invista sua energia na reação dos outros. Foque em sua paixão pelo tema e no quanto trabalhou para isso. Com o tempo, essas coisas se tornam suas novas crenças e sua autoconfiança aumenta.
  • Desenvolva à sua volta uma comunidade que pensa como você: Pesquisas indicam que nossa visão sobre nós mesmos geralmente é imprecisa. Seja por subestimar ou superestimar suas capacidades, você não consegue chegar a um nível mais preciso de autoconfiança se está isolado. Precisa interagir com seu ambiente, hobbies e outras pessoas para desenvolver confiança. Compartilhe suas experiências com alguns amigos próximos que estão no mesmo processo de autodesenvolvimento. Coaches, terapeutas, podcasts, blogs e livros ajudam a construir uma base para sua nova confiança.
  • Dê um tempo da mídia social: Um estudo de 2018 publicado na Journal of Psychology constatou que pessoas com baixa autoestima tendem a desenvolver um “eu falso” na mídia social, o que pode levar a um sentimento impreciso de si próprio e de seu valor. Portanto, considere dar um tempo da mídia social para se reconectar com quem você realmente é, livre de comparações e de tentativas de impressionar os outros.
  • Cultive compaixão: Cultivar um sentimento de autocompaixão ajuda você a se solidarizar com si mesmo ao passar por dificuldades na vida. Isso pode ajudar você a sair do negativo e a encontrar maneiras mais amáveis de falar com si mesmo. Liberte-se de erros ou fracassos passados.
  • Encontre apoio profissional: Embora você possa desenvolver confiança por meio de reflexão, esse processo pode ser mais eficaz mantendo uma relação com um terapeuta ou alguém que o apoie.

 

Fonte: Artigo da coach de saúde, psicóloga e escritora Stephanie Catahan para o site mindbodygreen.