Projeto do Sesc promove uso integral de alimentos

Você poderia imaginar que de uma alface se pode fazer uma cocada? Sabia que talos de verduras, geralmente jogados no lixo, podem ser usados como ingrediente de uma quiche? E que de casca de banana se faz brigadeiro? Esses são alguns dos truques de culinária ensinados a quem participa do projeto Redes Gastronômicas, desenvolvido pelo programa Mesa Brasil, do Serviço Social do Comércio no Rio de Janeiro (Sesc RJ).

O objetivo do projeto é compartilhar conhecimentos de forma a aliar nutrição a baixo custo a partir do uso integral dos alimentos. Mais de 1 milhão de pessoas já foram atendidas e 40 milhões de alimentos foram distribuídos a 6 mil entidades assistidas. Há duas décadas o Mesa Brasil se dedica a combater a fome e o desperdício de alimentos.

O Redes Gastronômicas é estruturado em duas modalidades. Na “Colheita urbana”, a equipe do Mesa Brasil recolhe de parceiros – hoje 3.200 empresas – doações de alimentos não perecíveis e in natura, que são então encaminhados às 6 mil entidades sociais cadastradas no programa, entre as quais asilos e creches.

Já o “Banco de alimentos” é o local onde os alimentos são acondicionados de acordo com suas necessidades de conservação, para serem então separados e disponibilizados às entidades cadastradas.

No Lar Pedro Richard, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, sessenta famílias são atendidas pelo projeto. Ali, o empadão de legumes está entre os pratos prediletos da criançada, juntamente com o brigadeiro de casca de banana. O  excedente é vendido e a renda vai  para a instituição.

“O Redes Gastronômicas gerou impacto em nosso planejamento institucional, assim como em nossas vidas e nas das famílias que assistimos”, afirmou a assistente social Vanessa Silva de Carvalho, do Lar Pedro Richard. “Aprendemos a substituir alimentos e a criar receitas saudáveis, com base no que temos à nossa disposição.”

 

HÁBITOS SAUDÁVEIS SEM GASTAR DINHEIRO

Os participantes do projeto realizam cursos nos quais aprendem a manipular e aproveitar integralmente os alimentos. Recebem também noções de gastronomia social e sustentável. A criatividade é estimulada por meio da invenção de receitas não convencionais. São oferecidas oficinas e eventos gastronômicos. Mais de 5 mil pessoas já foram capacitadas.

O principal foco do projeto são pessoas em situação de vulnerabilidade social e nutricional atendidas pelas entidades sociais cadastradas. Há também atuações emergenciais, com a mobilização dos parceiros para arrecadar e distribuir doações em situações de calamidade em diferentes regiões do país.

O programa tem como base as unidades do Sesc nos bairros de Madureira (RJ) e no município de São Gonçalo, mas com a pandemia as atividades presenciais foram suspensas.

Coordenadora do Mesa Brasil, Cida Pessoa afirmou que a receptividade ao Redes Gastronômicas é enorme e não está relacionada a classes sociais. “O projeto interessa a todos”, disse ela. “Cada vez mais observamos que grande parte das pessoas está preocupada em ter uma alimentação saudável. Nós mostramos que, para adquirir hábitos saudáveis, não é preciso gastar muito dinheiro, mas, sim, mudar o nosso olhar sobre os alimentos e as suas possibilidades de utilização.”