Tendências de marketing afinadas com a tecnologia

A tecnologia está avançando e o comportamento dos consumidores também, o que leva empresas de diferentes setores a reavaliar seus processos e necessidades. O que vem por aí? Inovações calcadas em inteligência artificial, dados, marketing de voz, realidade virtual e Blockchain. É o que preveem Alexandre Loures e Flavio Castro, sócios-diretores da FSB Comunicação. Em artigo para a revista Exame, eles explicam:

  • Marketing de voz: Os assistentes de voz para pesquisa tendem a se tornar mais eficazes e personalizados. A voz estaria se tornando o mais importante canal para o marketing. A tecnologia é capaz de recriar vozes, como fez o Mercado Livre, utilizando inteligência artificial para chegar à voz do pai do ex-jogador de futebol Zico em campanha para o Dia dos Pais.
  • Inteligência artificial: Segundo os dois especialistas, trata-se da ferramenta que mais ajuda profissionais de marketing a “melhorar a experiência do cliente, aumentar a satisfação e reformular sua estratégia”. Permite aprofundar análises e medições em tempo real, tornando o marketing mais eficiente. Para entender o consumidor e gerar conversão, uma startup do Paraná criou uma plataforma que analisa ligações telefônicas, exemplificam eles.
  • Dados: Estratégias baseadas em dados podem otimizar conteúdos. O conhecimento de dados ajuda marcas a criar campanhas de marketing mais assertivas e específicas. Geolocalização e dados ambientais e pessoais permitem direcionar o marketing para a pessoa certa, no momento e lugar mais adequados.
  • Realidade virtual: Permite solucionar problemas de distância, orçamentos e mobilidade, entre outros. Já se pode criar um universo virtual com avatares de pessoas e aplicá-lo a setores diversos, como indústria, saúde e educação. Profissionais de marketing podem interagir com clientes de forma mais ágil, ampla e criativa.
  • Blockchain: A ferramenta que garante segurança em transações com criptoativos pode tornar mais direta a conexão entre empresa e público, sem a necessidade de intermediários. Elimina-se, por exemplo, o Google, que funciona como intermediário em compras e vendas na mídia, o que aumenta custos. Com o uso de Blockchain, o usuário seria recompensado por seus dados e as transações seriam mais claras e livres. Uma das possibilidades abertas é o consumidor ter a opção de compartilhar um anúncio em redes sociais e ganhar dinheiro com isso.