Cientistas criam tecido que evita picada de mosquito

Cientistas americanos desenvolveram um tecido resistente a mordidas de mosquitos, e sem produtos químicos. Criado na Faculdade de Agricultura e Ciências da Vida da Universidade Estadual da Carolina do Norte, o material foi feito a partir de um modelo computacional que analisou o comportamento do Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como dengue, Zika e febre amarela.

Os voluntários que se dispuseram a testar o tecido antimosquitos entraram num recinto de acrílico onde havia duzentos mosquitos sem doenças, mas famintos – haviam passado a noite sem dar uma picada. E mesmo assim as pessoas não foram mordidas, relataram os pesquisadores liderados pelo cientista R. Michael Roe.

Antes de entrar no recinto, os voluntários vestiram uma roupa de combate de uso militar sobre uma roupa de baixo feita do novo tecido, cujo material não inclui nenhum inseticida. Usaram também um véu de apicultor para que não houvesse nenhuma exposição de pele. Ficaram ali dentro dez minutos para testar se o tecido funcionava quando esticado e quando sua distância da pele variava.

No modelo computacional que usaram para elaborar o tecido, os cientistas examinaram as dimensões da cabeça, da antena e da boca do Aedes aegypti, bem como o mecanismo que ele usa para morder. Depois, ajustaram propriedades específicas do tecido – como espessura e tamanho de poros – para que o material pudesse impedir as picadas.

 

SOLUÇÃO PARA EVITAR PRODUTOS QUÍMICOS

Foram testadas três versões do tecido. Uma delas tem menos de um milímetro de espessura e poros pequenos o bastante para impedir a penetração da probóscide (aparelho bucal do mosquito), que fura a pele. Uma outra versão tem poros de tamanho médio que impedem que a cabeça do mosquito alcance a pele. E a terceira tem poros maiores, mas espessura suficiente para impedir que o mosquito alcance a pele.

As três versões poderiam ser eficientes também contra outras espécies de mosquito que tenham biologia e comportamento semelhantes, indicaram os cientistas. Todas elas provaram ser mais resistentes a picadas do que um tecido tratado com o repelente permetrina.

O tecido à prova de mordida de mosquito poderia ser uma boa solução para pessoas que evitam usar repelentes e roupas com tratamento químico contra mosquitos por temerem efeitos sobre a saúde. Os cientistas disseram, porém, que precisam aprofundar a pesquisa a fim de avaliar melhor a segurança do material e desenvolver roupas confortáveis que funcionem em diferentes condições de clima.

Fonte: WebMD Health News.